jusbrasil.com.br
15 de Setembro de 2019

Planejamento financeiro para 2019: como fazer a melhor escolha?

Igor Xavier, Advogado
Publicado por Igor Xavier
há 9 meses

Começar o ano com novas perspectivas, agregando hábitos que nos deixam atualizados e em constante evolução é um objetivo que sempre almejamos. Fazer do novo ano uma gama de novidades e oportunidades, capazes de nos fazer evoluir em todos os sentidos da vida.

Adotar um planejamento para 2019 é uma das formas de buscar novos resultados, pois quando se planeja de forma técnica e disciplinada, a possibilidade do resultado é concreta, fazendo com que a conquista pelo resultado seja iminente.

Umas das vias em evidência no momento, e que tem gerado repercussão no meio empresarial, é a holding familiar. A holding é um instituto que pode ser utilizado por todas as famílias que têm bens e que pensam em otimizar esses recursos, além de protegê-los, criando uma situação de conforto e prosperidade familiar.

A aplicação da holding familiar gera economia de impostos (Imposto de Renda, ITBI, ITCMD) que consomem percentuais significativos do orçamento, podendo, inclusive, inviabilizar uma transação ou comprometer parte do patrimônio, evidenciando ainda mais o prejuízo.

O Imposto de Renda pode consumir até 27,5% do orçamento, ao passo que o ITBI é 3% sobre o valor do bem negociado, consumindo o ITCMD até 8% do total do patrimônio em alguns estados (com possibilidade de atingir 20% se aprovado projeto de lei que está em andamento). São percentuais que implicam em drástica redução do rendimento final, os quais aplicações financerias comuns não superam a perda.

Somados a isso, despesas com advogados no caso do ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis), que ocorre quando há a necessidade de mover inventário, podem consumrir até 10% do patrimônio, tornando a operação onerosa e sem previsão de recuperação.

Todas essas despesas ocorrem e são inevitáveis em diferentes momentos, fazendo com que a economia familiar ou qualquer aplicação financeira a curto, médio e até longo prazo, não superem a repercussão financeira sofrida.

A redução ou exclusão desses impostos mediante a adoção do planejamento por meio da holding familiar implica em economia e consequente ganho de capital substanciais, os quais poderão ser reaplicados em novos investimentos, aquisições ou aplicações financeiras.

Deste modo, a holding familiar, que já tem sido utilizada com habitualidade por grandes e médios empresários, pode e deve ser estendida para toda a sociedade, visto que não existe um limite mínimo ou máximo de patrimônio para adotá-la, havendo no caso a necessidade de um estudo aprimorado por advogado especialista na respectiva área.

A holding familiar tem sido e vai ser cada vez mais popular, este tem que ser o objetivo dos advogados que atuam na área, justamente disceminar esse conhecimento legal e prático que pode beneficiar muitas pessoas, fazendo com que ocorra a preservação do patrimônio e o consequente progresso financeiro.

Atrelado ao ganho de capital, a holding proporciona segurança e proteção patrimonial, uma vez que diminui e/ou até afasta o risco de dívidas pessoais de qualquer natureza implicarem em comprometimento de parte ou todo o patrimônio para saldá-las, o que ratifica ainda mais o interesse dos empresários a aderirem ao planejamento.

O risco iminente e contínuo dos negócios, a incerteza da economia e política nacionais, o errro humano capaz de comprometer a saúde financeira da empresa; todos esses elementos estão presentes diariamente nos negócios e colocam não só a empresa em risco, mas também o próprio patrimônio do empresário.

Ocorre que os riscos não atingem apenas os empresários, uma vez que muitas famílias também passam por dificuldades inesperadas, as quais podem comprometer o patrimônio de forma irreversível, a depender do caso.

Por isso a holding familiar é tido como uma tendência ao passo que vai sendo conhecida pela população, pois ela permite de forma legal e eficaz a proteção dos bens da família, proporcionando segurança e conforto e, tudo isso, na forma da lei.

Para isso, é necessário contatar advogado especialista na área, o qual terá a missão de analisar cada caso, simular as possibilidaes e apontar a eficácia da holding familiar, executando, por fim, o projeto.

Portanto, para 2019 apontamos que a melhor alternativa de planejamento financeiro é a aplicação da holding familiar, por ser o meio mais eficaz de buscar economia, proteção, segurança, celeridade e tranquilidade para os que almejam prosperidade.

Dúvidas? Envie-nos uma mensagem via e-mail: contato@igorxavieradvocacia.com.br

Continue acompanhando nosso blog: https://www.igorxavieradvocacia.com.br/blog/

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/igorxavieradvocacia/

4 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼 continuar lendo

Quais os custos para a abertura e manutenção de uma empresa familiar? continuar lendo

Sr. Marcos, primeiramente agradecemos sua participação. Segundo, os custos envolvem advogado (que em média cobram de 1% a até 3% sobre o patrimônio, depende de cada profissional, região e bens envolvidos) e pode haver ou não a incidência de ITBI (na transmissão de bens), o qual corresponde a 3%. O ITBI depende da holding a ser adotada, portanto esse tributo pode incidir ou não. É necessário um contador, que em média cobra de R$ 250,00 a até R$ 400,00 mês. Estes em princípio seriam os investimentos iniciais e depois o mensal. continuar lendo

Fraco. continuar lendo